Try a different view, see the line outside of you:

Aveces las cosas que no puedes cambiar, teminan cambiandote a tí

Don't worry child, see heaven's got a plan for you:

Acende tu a chama que um dia se quiser apagar.

Da amizade:

Há pessoas que evocam a amizade como se fosse uma figura de estilo.

O silêncio foi a coisa mais importante que aprendi:

Diz-me que o silêncio não muda nada. Não vale a pena pronunciarmo-nos em palavras. Dizias que os momentos mais importantes da vida aconteciam em silêncio. Aprendi a falar com dois anos e, a partir daí, aprendi o silêncio. Tudo o que aconteceu depois daquela idade foi uma renuncia a tudo o que me ensinaram até ali. Naquele dia também não foram precisas palavras. Os inícios e os fins dispensam-nas, é sempre assim. Não é preciso falar para dizer tudo. Temos as entrelinhas, os gestos e depois... os silêncios. Diz-me, outra vez, que o silêncio não muda nada. Novamente, até que o coração aguente. 

Hoping everything's not lost:

Irrita-me não conseguir falar sobre ti.

A viagem do elefante:

As coisas do universo acabarão por se encaixar umas nas outras.

Um dia serei luz, serei o sol na despedida:

Todo lo que es parte de nosostros un dia puede volver.

Para Ela:

Talvez os dois mundos onde vivemos não sejam assim tão diferentes porque temos o mesmo pôr-do-sol.

We accept the love we think we deserve:

Não são precisas justificações. Nem desculpas.
O respeito é das coisas mais bonitas do mundo. É por respeitar tanto o respeito que continuo em silêncio.
Descansa porque garanto-te: a traição nunca triunfa. Na maior parte das vezes, a vida prova-nos isso mesmo, que caímos em nós sempre que de nós tentamos fugir. Foi o que aconteceu. Eu sempre disse que o amor também pode separar as pessoas.

Não é preciso dizeres nada, avó:

Disse-me que passava os dias todos a pensar em mim e a falar de mim e quando estava comigo no skype, havia vezes em que não sabia o que dizer.

Não te esqueças:

Há o caminho de ida e as tardes que fomos felizes juntos. O tempo não nos roubou de nós nem de ti. 

I'll be gone by the nights ends:

Os dias têm uma luz diferente quando começam e acabam. Aqui, o fim do dia é um segundo. É de dia e logo a seguir de noite. Um abrir e fechar de olhos. Aí, não é assim. Aí, o fim do dia arrasta-se pelo rio. Demora-se a escurecer. Só depois de alguns minutos é que podemos dizer que se fez noite. Aqui, não. Aqui, a terra engole-se a ela própria para abrir outro espaço onde a noite pode existir.

Quem acredita tem muita força:

Já ninguém é capaz de acreditar.
Já ninguém acredita em estrelas. Já ninguém, sequer, perde tempo a levantar os olhos para o céu.

(ainda bem que te vejo)

DECIF 2012:

Tu vais voltar. Não é que te espere mas imagino-te a chegar. Hás-de voltar no momento em que o fogo que sentimos se começar a extinguir. Logo naquele momento em que começamos a enganarmo-nos a acreditar que nada poderia ter sido diferente e não poderia ter existido mais nada do que aquilo que existiu. Coisas que colidiram ocasionalmente. Coisas que exigiram existir no mesmo tempo e espaço. Roubaste-nos noites. Fechámos os olhos e num segundo estava tudo a arder à nossa volta.

Se o mundo acabasse amanhã, seria como se acabasse daqui a cem anos. Ficariam demasiadas coisas por fazer. Quero-te longe. Convem-me ter-te longe. Volta melhor.

O cliente nem sempre tem razão:

Tu gritas vida e o eco devolve-te dor.

The ghosts you draw on my back:

que deixasses de me fazer falta. que eu fosse capaz de adormecer com a serenidade de aceitar que nao voltas. que o inverno trouxesse tempestade mas que amanha fossemos capazes de vestir um vestido. que isto tudo fosse como nos desenhos animados. que o bem abrisse caminho.

A morfina foi inventada para que os médicos durmam tranquilos:

- Acreditas em deus?
- Não, acredito na inteligência e na vida.

Porque te tenho:

Escrevo o que dói enquanto risco o que é dor.

Ter esperança no destino e ter quem goste de nós:

Brindamos à vida e a tudo de bom que nos possa acontecer. Passamos o tempo a rir porque rir ainda é o melhor remédio, não pensar na vida depois da hora que se vive. Não me façam perguntas sobre amanhã, só quero que seja hoje. Não me perguntem o que farei daqui a algumas horas porque nem sei o que faço agora. Não me perguntem por amanhã porque eu não me pergunto nem por daqui a três horas. Só quero pensar naquilo que a vida me pode trazer de bom, tão bom que me faça esquecer do tão mal que às vezes podemos estar. Dizem que amanhã é outro dia e eu toco no calor do sol e no sangue quente dos que estão à minha volta. Toco no melhor da vida. Toco como se não houvesse mais nada, como se não houvesse vida para além daqui a uma hora. Vejo o sol a nascer sem saber se dormi. Durmo sem saber se amanhã estará sol. Acordo daqui a uma hora e a vida começa outra vez.

Antes da escuridão:

Em frente aos meus olhos, uns olhos tristes. Uma pessoa que me custa olhar. A realidade é triste. Triste vida. Triste de quem tem de olhar uns olhos tristes todos os dias. O avô dá-lhe a mão e ela descansa o olhar que tem um peso de querer atenção. A mãe e o pai fumam. A tia fala alto e sorri. 4 cafés e a conta, por favor. Uns óculos escuros e um caminho. A realidade é triste, uns olhos nunca mentem e uns óculos tapam sempre uma parte da nossa realidade. Não consigo deixar de pensar nos olhos mais tristes de que tenho memória. Revejo a minha vida - que sorte tenho eu! - os problemas estão comigo, as pessoas desaparecem mas nada detem os meus olhos felizes (nada nem ninguém).

You're not the reason I'm leaving:

Não fui eu que quis. Se Deus existisse, saberia que nunca quis ir embora. Falaram comigo no imperativo e usaram o verbo ir contra a minha vontade. Se ao menos eu tivesse o talão que se usa nas lojas para se reclamar no prazo de quinze dias ía lá e dizia que já não queria estas pessoas.

Faz-me revirar o tempo:

Falam-me da tua vida como se te tivessem conhecido e, sem saberem, estão a falar da minha também. Entre o que dizem e as coisas que inventam, não resisto a sorrir porque sobre ti, só eu soube sempre tudo e isso, ninguém me pode matar.

Hiperbole:

Já disse mais de mil vezes que gosto de ti.

Déficit de atenção social:

Ninguém nos educa para as emoções.
Todos acham que a raiva é uma coisa feia e que o ódio não se pode sentir.
Educam-nos para reprimirmos as emoções e, sempre que não as traduzirmos em palavras, ficamos partidos ao meio.
Sentimos as coisas. Conseguimos intui-las mas depois, como que por magia, não as sabemos falar.
Sempre que somos deseducados para as emoções, somos afastados das palavras. Todos sabemos o poder das palavras, é por isso que quem escreve nunca poderá ser triste, como, às vezes, nos querem fazer acreditar. Quem escreve só poderá ser inteiro.

Love is like a magic mirror:

Por mais sucesso que o Sexo e a Cidade tenha tido, ainda não destronou, em audiência, a Branca de Neve e os Sete Anões.

Talvez isto seja a prova. Não é o sexo, os orgasmos, ou a falta deles. É o que se deu antes e depois de acontecer. A intimidade, o cheiro e o sabor. São as mãos dadas o caminho todo e o abraço que segura o que queremos. 

What's your heart's desire today?

Nunca é das minhas palavras preferidas.
Quando se diz nunca está-se a desafiar a existência.

Dou por mim a fazer coisas que tinha negado a possibilidade de futuro com um nunca.
O desejo é sempre a liberdade suprema. Ser surpreendente é a minha característica preferida da vida.

As fases passam. Os desejos ficam. E os que ficam, serão sempre a melhor definição possível do que somos. Não é o nome nem a idade. Não é o filme preferido ou o que gostamos de ler. Não são os gostos que definem o que somos. Os gostos, quanto muito, serão a reação à realidade que nos apresentam. Mas os desejos que ficam, o que realmente queremos, não tem nada a ver com a realidade nem com o que nos rodeia. É independente.

Ser filho de pescadores e ter o desejo profundo de viver no deserto. Viver na praia e procurar na imaginação o toque da neve.

Nós somos os nossos desejos.


People can be easy, if they want:

As pessoas podem dar-nos o pior e o melhor.
Nós é que temos de decidir o que queremos que elas nos dêem.

You are who you are when nobody's watching:

Somos iguais no mais simples e conseguimos, cada um, fazê-lo de forma diferente.

Your choices are yours alone:

Tudo na vida tem uma consequência. Mais do que uma razão, uma consequência.
Uma decisão. Um amor. Um filho.
Uma alegria ou uma tristeza.
Passei muitos dias tristes. Acho que passo mais dias triste do que feliz. É uma mágoa que se sente mais do que aquilo que se vê. Que não se resolve.
Não é medo, nem paixão.
Não é raiva, nem depressão.
É vontade de mais. De mais alguma coisa. De mais nada. De mais não-sei-o-quê.
É uma vontade de mais nada. Nada me move. Nada me comove. Nada.
Não vou. Não salto. Não corro. (Não sei se gosto de mim)
Se ao menos pudesse voar poderia sair deste mundo.
Sair deste mundo teria alguma consequência, como tudo na vida.

Please don't let it break

O que mais me custou foi te-la feito chorar.
São casos em que a intenção não conta.

Somos a palma e a mão:

Enquanto mostrava a palma da mão e ouvia a interpretação daquilo que lhe liam, olhava para mim e perguntava-me:

- Achas que sou assim? Se calhar é assim que as pessoas me vêem ou então sou mesmo isto... Quando nos conhecemos, foi isto que pensaste?
- É assim que os outros te vêem, sim... Mas eu sempre soube que eras melhor.
- O importante é saberem ler-nos o coração, as mãos não interessam para nada, pois não?

Não lhe respondi. Fechou a mão, levantou-se e disse: Do meu coração percebes tu, não é por linhas que as pessoas vão lá.

Fazer o que dá na real gana:

As pessoas cobram demais a palavra compromisso.
É por isto que as relações se extinguem: Porque as pessoas vivem de compromissos e não de vontades.

And we could go there par avion:

Acabámos tudo o que tínhamos para acabar e lavámos as mãos. Arrumámos tudo e sorrimos no fim, de cansaço e alívio.
Sentimo-nos livres e irresponsáveis, apesar de tudo. Brindámos à tua vida, à minha, às nossas vidas. Brindámos ao amor que a amizade nos trouxe. Ao que nunca se deixou por dizer. Até aos pássaros que intersectaram as nuvens brindámos. 
E acabou tudo, ali, dez minutos depois. 
Parece louco mas não é.

O futuro (a definição)

Parte do tempo desconhecida mas tão clara dentro de mim.

Time is never time at all:

Os anos passam sempre no mesmo espaço de tempo mas ficam dentro de nós de forma diferente.
Há quem transforme horas em segundos embora o relógio tenha sempre o mesmo compasso e o coração bata com o mesmo cadência.

É o amor que confere ritmo ao que quer que seja.

Come as you are:

Não pensar no que vem a seguir.
Não me prender ao orgulho das coisas escuras.
Sorrir para sempre. 
Não evitar as melhores emoções por saber que podem ser efémeras e recear a dor de perdê-las. 
 

Fala-se demasiado alto para quem está tão longe

A maior parte das relações não são mais do que duas solidões juntas.

Nas coisas leio sempre o teu nome:

Saudades serão sempre saudades até que se matem.

Lê-me nas entrelinhas:

Está tudo escrito entre o espaço entre uma palavra e a seguinte.
O resto não importa.

O tempo, o rosto, por detrás da cal:

Há vinte e três anos que estás ao meu lado. E vinte e três anos não são nada comparados com a alegria de te ter perto de mim. Não sei se algum dia entenderás o que sinto por te ter perto. Nunca se percebe este amor. Eu nunca o vou perceber. O dia mais feliz da tua vida foi o dia em que eu nasci. O dia mais feliz da minha vida foi o dia em que te conheci. E isso é muito mais do que os vinte e três anos que vivemos juntas.
Vinte e três anos não são nada comparados com a alegria que vamos ter até ao último dia que te consiga ver. E ouvir. E cheirar.
O teu sorriso é a minha maior alegria. E os teus abraços, vindos sem te pedir.
Ao teu lado nunca preciso de mais ninguém porque quero sempre que me vejas como a pessoa que mais te ama no mundo.
Quero ter sempre a força para te dizer que és a melhor coisa que passou na minha vida porque ver-te envelhecer é a melhor das partes de me ver crescer. Tu a envelheceres e eu a crescer. Ver-te envelhecer é das poucas alegrias que tenho quando cresço.
Vinte e três meses ou vinte e três anos. Não importa.
O que importa é o amor e esse será para sempre a minha única e grande certeza.

São truques de quem finge esquecer

Não fales sobre isso.
Sobretudo, não escrevas sobre isso.
A palavra escrita tem uma dimensão maior do que a falada porque fica marcada. Fica-te marcada. Os pormenores de cada letra e o sentido de cada frase.
A palavra escrita é mais difícil de esquecer porque fica exposta ao mundo e nós ficamos mais desprotegidos.
Se queres fingir bem, não escrevas nem fales sobre isso para não acordares o que tentas esquecer.

Não tenhas pressa porque há coisas que só se podem escrever quando deixam de doer.

Let's put an end to this:

A vida segue.
Como seguem todas as coisas que não têm (inicialmente) sentido.

Das expectativas:

Não esperar nada também pode ser uma forma de expectar coisas.
Tão grandes que não se conseguem esperar.

A falta de expectativas pode ser fatal.

Os meus amigos dizem coisas mais bonitas que eu:

Há uma caixa dentro do peito onde as tristezas se guardam.

Departure gate:

Partir é mais fácil do que se pensa. Difícil é decidir quem se leva connosco. 

Apontamento sobre a felicidade:

Hei-de estar aqui, ou não fosse a minha felicidade depender também da tua.

Dos caminhos:

Somos a transição entre o que fomos e o que seremos.
Vamos sendo apenas caminho para aquilo que queremos ser mas podemos ser o caminho para tudo.

Da improbabilidade:

Fazer o bem com pessoas que só conseguem ser más.
Parece impossível mas acontece e é notável.

Saudade:

O que é isso de ter saudade?
Pergunto-me desde que acordei o que significa esta palavra.
Sempre a tive comigo. Sempre a ensinei. Mas hoje não a entendo. Não a resolvo.
Tenho saudades do tempo onde não havia nada para justificar.

Hoje li uma mensagem de manhã. Entre outras coisas dizia: "B, gosto muito de ti". Isto dá-me saudades.
Dá-me saudades de não ter feito um caminho diferente que em tempos escolhi.
Os vários caminhos que nós escolhemos.

Saudades de dar vida em busca de vida.
Saudades de ti, que devias entrar aqui pelo quarto adentro.
Saudades de mim. Sinto saudades de ti.
Um abraço.
Um olhar nos olhos.
O coração dói-me e eu quero chorar. Mas são seis da tarde e ninguém chora às seis da tarde.
Espero mais. São dez da noite. Talvez já possa.

Hoje acordei com isto na cabeça e fiz da saudade a minha pior inimiga.

Só quero a verdade

Abre o coração. Aceita as possibilidades. Deixa a vida manifestar-se.

Palavras simples:

Naquelas paredes, escrevíamos a vida e imaginávamos todos os sonhos.
Ali, naquele quarto, de paredes brancas e mobília nova.
Uma resma de papel e nós escrevíamos.
Aquele quarto era o nosso mundo. Naquelas paredes desenhámos os nossos sonhos.
Escrevia para ti num livro para que pudesses ler no dia a seguir.
Escrevíamos um diário sem o rigor temporal.
Eu e a J. éramos intemporais.
Eu escrevia sobre o amor. Ela escrevia sobre o amor pelas coisas.
Escrevíamos uma pela outra e o amor de escrever era maior do que tudo.
Vivíamos muito. Vivíamos a vida que sabíamos temporal.
Vim embora e deixei coisas para trás.
Perdi amigos. A J. também ficou para trás.
Acabámos por viver as vidas que a vida nos deu. As imagens da nossa vida uma na outra desapareceram - é uma memória.
Separaram as nossas vidas. Um dia escreveste-me uma carta e pediste-me para ser simples.
Foi essa carta, que já não guardo, que mudou a minha vida. Esse pedido, simples.
Sei que li a carta em casa e não parei de chorar. Li-a uma. Duas. Três vezes.
As palavras da J. sempre me tocaram. As boas. As más. E as simples, também.
As palavras juntaram-nos. E a vida separou-nos.
Que a vida nos volte a dar uma à outra.
As tuas palavras continuam na minha cabeça. E agora, mais do que nunca, as memórias percorrem-me constantemente.
Hoje, quando estava deitada ao sol, vi raros momentos de beleza. Reparei que ao virar da esquina, estão as nossas melhores imagens. Não vou deixar de virar as esquinas. Não deixes de virar as esquinas.

Simples: Tenho saudades tuas, J.

Que nunca fique nada por dizer:

Hoje comecei a saber a palavra saudade.
Estás aqui. Sei que estás.

Uma palavra, nada mais.
Um caminho. Uma poesia.
Um avião que aterra.
Um. Dois minutos depois.
Uma letra.
Uma cama.
Um meio. Um corpo.
Um. Dois. Três. Silêncio.
Um arrepio.
Uma e outra vez.
Uma paixão.
Uma melodia. Uma palavra.
Nada. Zero. O inicio.
Um caminho.
Sim e não.
Uma música.
Uma partida. Um final.
Uma vida. Duas vidas.
Uma palavra. Uma única palavra.
Mil memórias.

What if....

E se em vez de guiarmos a vida pela condicionante de que o mundo pode acabar amanhã, nos deixassemos levar pela certeza de que o mundo começaria amanhã?

Vou pensar nisto.

We were so young and invincible:

Podíamos ter sido tudo.
E, de facto, fomos.

Do amor ao ódio. Do silêncio aos gritos.
Da vida à morte. Da presença à ausência.
Dos sorrisos às làgrimas. Da coragem ao medo.
Da descoberta ao conhecido. Da àgua ao fogo.
Do início ao fim.

Fomos tudo. Percorremos o espectro todo.
Esgotamo-nos de possibilidades.
Talvez, por isso, já não haja mais nenhuma história para viver.

(Está tudo bem. só não sei se ainda somos tão felizes)

Amor:

É palavra para toda a vida. É a vida toda numa palavra.

(sem químicos)

A emoção da vitória. As lágrimas da derrota. Os abraços depois de tudo.

Nunca mais será o que era. A verdade é que dói.
Escondo o receio de encarar a vergonha que é estar triste porque se quis.
Escorreguei naquele dia de Verão.
Faltavam dez segundos, lembro-me desse momento. Eu não consegui suster as lágrimas. Os últimos dez segundos. Tinha-vos comigo, sessenta minutos. Uma vida. Os dez segundos do fim. Depois do fim. Sempre. Sempre vocês. Sempre nós.
Chorámos. Chorámos muito. Ali, naquele círculo nosso, dentro de paredes que sabíamos de cor. O preto e o branco. As linhas que marcavam a nossa vida.
Depois aquele silêncio. Não há silêncio como nosso. Não é um silêncio reconfortante. É o silêncio de quem tem muito para dizer. O silêncio de quem está a dizer tudo.
Não sei quanto tempo estivemos assim. Em silêncio. No nosso abraço. Com uma paz atribulada. A paz de quem sabe que o mundo vai acabar mas que ainda está ali, sereno, a aproveitar aquele abraço, pela última vez.
Sacralizei esse momento. Volto lá muitas vezes. Não sei quanto tempo estivemos ali. Cinco segundos. Cinco minutos. Talvez a nossa vida.
Vocês choravam por mim. Eu chorava por todas.

Nunca mais será o que era. E isso dói. Somos sempre inferiores ao tempo.
Quando dizem que gostam de mim, eu penso sempre em vocês. Porque o melhor de mim, foi construído por vocês. Isto que sou, é muito mais vosso do que meu. Isto que me tornei, são vocês dentro de mim. Por isso, quando gostam de mim, não é de mim que as pessoas verdadeiramente gostam. É de vocês.
Da boa vontade da M. Da cumplicidade da E. Da amizade da G. Do bom humor da S. Da vontade da C. Do espírito da V. Da força da R. Da ambição da B. Da segurança da I. Da calma da X. Da criatividade da P. Da atitude do R. Da convicção do A.

Posso morrer mas não vos quero perder.
Podem partir mas não me podem deixar.
Às vezes, abdico da minha vontade para tentar não me afastar do vosso olhar porque nunca mais será o que era e isso dói.


Promessas:

Nunca mais te deixo sozinha. Nunca. 

Give it to me:

Luz.
Vontade de ti.
Caras e corpos. Pessoas
. Figuras. 
A tua mão. A minha mão.
Imponência e fé.
Adormecer na rua.
Sítios e ruas. Vidas e destinos.
Acordar em ti. Contigo.
Fotografias. Imortalidade.
Lembranças

Vertigens e céu. História. 
O problema de expressão.
A chama ardente.
Metro. Submundo. Velocidade. Escuridão.
Música e letras. Palavras e coincidências.
A viola.
Donald Kurt Cobain. Cemitério. Morte e mito.
A voz. A tua. Ensonada.
Gostar e acreditar.
Praia e castelos. Risos.
O teu sorriso.
Desenhos e tintas. Arte e cultura.
O Mundo. O azul.
Cidade. Magia e encanto.
Gestos e olhares .
Tu. Sempre tu.
Porquê? Nao sei. Porque sim. Porque quero.

Deixa que o silêncio se torne cúmplice:

Falei de ti e contei-lhe o nosso fim.
E, pela primeira vez na vida, consegui relembrar-te sem sentir mágoa do fim das coisas que julgávamos eternas.
Sei que não mudaste e que continuo a conhecer-te bem.
Apeteceu-me ligar-te para contar a minha vontade de que sejas sempre feliz.
No Verão, havemos de nos cruzar por entre o fogo. Vou sorrir-te e saberás que apesar de tudo, serás sempre alguém sem lugar nem tempo para mim.


Hei-de ver-te para sempre, L.

Warning:

Antes de adormeceres, sonha.

Sometimes holding hands is safe

Some other times, it's all we've got.
It takes courage, love, time and space.
But it brings a lot of things worth the try.

(I will always have my hand sliding towards yours)

We all became such fragile broken things:

You're a beautiful mess.

Forças paradoxais:

E se tu fores a força imparável e eu o objecto inamovível?

Da vida:

Sermos o que quisermos - é a única coisa que a vida nos impõe.
O resto são escolhas nossas.

Dicotomia:

Ama a prática. Questiona a teoria. 

A paz na dor:

Tens no meu mundo as perguntas e os porquês.
Quando estou contigo eu sou o que vês.

Do medo:

Nada te persegue. Nada te atormenta.
Tu és o teu medo.

Como se mentir fosse segredo:

- Já me mentiste?
- Sim.
- Quando?
- Se disser, deixa de ser mentira...

Ainda sobre o dia da mãe (ou como o amor me faz pensar):

Não acredito no amor incondicional.
O meu amor por ti tem condições.
Exijo-te o abraço. A preocupação. O amparo. A melhor comida do mundo. A confiança. Até os avisos em modo repeat.
Mas, acima de tudo, exijo-te a presença.

Do dia da mãe (ou as dúvidas existenciais de um domingo à noite):

Eu sei que gostas de mim.
Olho para os teus olhos e tudo o que eles me dizem traduz-se em amor.
Também sei que tens orgulho. Que faço coisas que tu, por mais que quisesses, nunca conseguirias fazer.
Sei que tens na tua vida um lugar para a minha. Que já morreste de muitas maneiras para que eu pudesse viver. 

Sei tudo. Só nunca soube se gostas tanto de mim por ser como sou ou por ser tua filha.
Afinal de contas, o que mudaria se por algum acaso, eu não fosse a tua filha?
O que farias com o amor que sentes por mim? 

Depois, questiono-me: Gosto de ti por seres como és ou por seres minha mãe? 
Também não sei e, por isso, fico sem coragem para te perguntar o mesmo.

E, para tranquilizar-me, penso para mim que nos gostamos e isso, é capaz de ser suficiente.
Inexplicáveis, como todos os amores.

Post-it:

Aqui a luz é diferente do resto do mundo.

Ao ouvido:

Aqui cabe tudo o que não consegues dizer lá para fora.

Notes to myself:

O medo serve para avançar.

Dos sonhos:

O que é que se pode esperar de alguém que não sabe sonhar?