Palavras simples:

Naquelas paredes, escrevíamos a vida e imaginávamos todos os sonhos.
Ali, naquele quarto, de paredes brancas e mobília nova.
Uma resma de papel e nós escrevíamos.
Aquele quarto era o nosso mundo. Naquelas paredes desenhámos os nossos sonhos.
Escrevia para ti num livro para que pudesses ler no dia a seguir.
Escrevíamos um diário sem o rigor temporal.
Eu e a J. éramos intemporais.
Eu escrevia sobre o amor. Ela escrevia sobre o amor pelas coisas.
Escrevíamos uma pela outra e o amor de escrever era maior do que tudo.
Vivíamos muito. Vivíamos a vida que sabíamos temporal.
Vim embora e deixei coisas para trás.
Perdi amigos. A J. também ficou para trás.
Acabámos por viver as vidas que a vida nos deu. As imagens da nossa vida uma na outra desapareceram - é uma memória.
Separaram as nossas vidas. Um dia escreveste-me uma carta e pediste-me para ser simples.
Foi essa carta, que já não guardo, que mudou a minha vida. Esse pedido, simples.
Sei que li a carta em casa e não parei de chorar. Li-a uma. Duas. Três vezes.
As palavras da J. sempre me tocaram. As boas. As más. E as simples, também.
As palavras juntaram-nos. E a vida separou-nos.
Que a vida nos volte a dar uma à outra.
As tuas palavras continuam na minha cabeça. E agora, mais do que nunca, as memórias percorrem-me constantemente.
Hoje, quando estava deitada ao sol, vi raros momentos de beleza. Reparei que ao virar da esquina, estão as nossas melhores imagens. Não vou deixar de virar as esquinas. Não deixes de virar as esquinas.

Simples: Tenho saudades tuas, J.

Sem comentários:

Enviar um comentário