Na luz que se precipita, os olhos alcançam o que eu não posso tocar

Três palavras, uma oração. A vida toda no intervalo entre o sono e o adormecer. A clarividência do que se arquiteta por dentro. A vontade disfarçada de impulso. E o mundo a conjugar o caos, o tempo todo. 

Sem comentários:

Enviar um comentário