Por trás de uma ofensa, há sempre uma insegurança:

As pessoas indignaram-se, fizeram protestos na internet, lançaram vídeos que se tornaram virais e, de repente, decidiram que os piropos devem ser criminalizados.
Depois, tentaram estabelecer uma linha entre as piadinhas engraçadas e as bocas ordinárias, misturaram o feminismo e acrescentaram assédio de rua.
No fim, aparecem mulheres indignadas a levantarem ondas, feitas virgens ofendidas, como quem assume que preferem ouvir um "ainda dizem que as flores não andam..." do que um "fodia-te toda!".
E eu, continuo a achar que o que devia ser criminalizado era a insegurança das mulheres porque, isso sim, é um verdadeiro atentado à dignidade humada.

2 comentários:

  1. A mim soa-me tão mal um "lambia-te essa cona", como um "tu não andas, tu deslizas". Nunca gostei muito desses "abusos de confiança"!

    ResponderEliminar
  2. Eu percebo que algumas pessoas considerem abuso mas um "lambia-te essa cona" era coisa para fazer-me rir e pensar duas vezes na possibilidade. Mas isso é o meu ego que de vez em quando precisa de atenção...

    ResponderEliminar