A verdade da mentira:

De toda a malvadez que possa haver no mundo, a mentira é provavelmente o defeito com que lido melhor. Nunca me sinto traída pela mentira e já me cruzei com tantas. Nunca traí pela mentira e já disse tantas. Quem me diz mentiras, nunca mente a mim. A mentira é só um meio para que quem mente se sinta bem. É por isso que aceito as mentiras com a mesma naturalidade que aceito as verdades. Uma espécie de serviço publico, uma oportunidade que dou aos outros de me contarem a novela que andam a viver. Verdade ou mentira, as duas tem o mesmo peso. É o valor que lhe damos que as torna mais ou menos importantes. Há mentiras que nos protegem muito mais do que qualquer verdade. Há confissões que doem muito mais que qualquer mentira. Muitas vezes, dizer-se a verdade é um ato egoísta porque significa apenas que queremos dividir a angústia que sentimos e partilha-la  com o outro, cobardemente. Prefiro sempre uma mentira a uma verdade que alivia. Quem tem tanta necessidade de dizer a verdade, provavelmente sente culpa de todas as mentiras que disse. Sempre que somos honestos connosco, não há mentira que abale nem verdade que mude.  As mentiras são só a imagem que cada um idealiza de si. Não é o fim do mundo nem nenhuma facada nas costas. Que não se odeie a mentira porque ela é uma parte inevitável do caminho, tal como a verdade. Saber a intenção que pomos em cada coisa e dormirmos tranquilos com a nossa parte é o quanto basta porque o mundo é dos que conhecem a verdade dentro de si.

1 comentário:

  1. es ingenua para pensares que ninguem te mente ou entao nao crias laços verdadeiramente com ninguem. qualquer uma das duas opçoes e triste....

    ResponderEliminar