nA tua vida vale tudo:

Há felicidades que não morrem. São uma caixa que se abre para o mal, o antídoto para o veneno que corrói por dentro. As felicidades tiram as nódoas mais difíceis e afrontam as dores mais teimosas. As felicidades são amores a baterem no peito, como um mar de tempestade, a lembrar-nos todos os dias que estamos vivos e é para isso que existimos. Que nunca te envergonhes de ser feliz e nunca tenhas medo de tentar. Não te martirizes com os erros que deste porque o choro não é a previsibilidade da tristeza, há quem faça lágrimas de felicidade. Para perdoar é preciso esquecer, que nunca esqueças isso porque só depois é que te podes encontrar. Lembra-te que o amor anda por aí e, a maior parte das vezes, é mais do que o expectável porque não há nada mais imprevisível que os afectos.

Sem comentários:

Enviar um comentário