Eu só queria o futuro:

Farias anos hoje, 28 como eu. Aos 30 íamos estar com casamento marcado e filhos. Aconteceu tudo menos isso. Eu até médica me tornei, imagina como estava fora de mim para enfiar-me numa coisa dessas. A vida mudou, a morte mudou-me. Eu não sou a mesma desde que tu me morreste porque depois do sangue houve um eco que se replica todos os dias e tu sabes, depois do silêncio não sobra nada. Nem milagres, nem Deus, nem o teu corpo nem porra nenhuma. Agora a felicidade não é feliz, é outra coisa qualquer. A mágoa disfarça-se na voz sem se dissipar no tempo. Um sorriso não é apenas um sorriso, é um peso que carrego comigo ou uma dúvida que transporto porque podia ter sido eu. Depois de me morreres, fiquei ainda menos preparada para a morte. Há sempre um medo constante; não pela dor mas por aquilo que arrasta com ela. Existe uma possibilidade de condicionalismos que sempre recusei pensar, não quero arranjar culpados para a tua morte. Não fui eu, nem o nevoeiro, não foram os outros ou a tua curiosidde inquieta, não foi ninguém e nem interessa quem foi. Não importa se morreste feliz ou triste, se tinhas um futuro promissor pela frente como tanta gente gosta de imaginar. Morreste, simplesmente. Morreste-me ainda antes de tentar recuperar-te a vida. Hoje farias anos e em vez de uma canção de parabéns existe o burburinho, um som de fundo igual ao que ouvi quando só eu tinha entendido que tu já tinhas morrido. Todos os dias penso em ti mas, é quando deverias estar a celebrar a vida que mais me lembro da tua morte. Ali, sem milagres, nem Deus, só o teu corpo e mais porra nenhuma. Só uma saudade que, só quem nunca perdeu ninguem para vida, diz que o tempo ajuda. O tempo só piora, só aumenta. A minha vida continua mas eu já não sou a mesma, todos os dias acordo ainda com mais saudades tuas porque não consigo e não quero habituar-me à falta que me fazes. Eu não desejo que tu estejas feliz onde quer que estejas, nunca pedi que olhasses por mim ou que descanssasses em paz. Eu nunca precisei de desejar-te feliz porque tu já eras, nunca precisei que olhasses por mim porque já olhavas e não quero  que descanses em paz porque eu nem queria que morresses. Também nao queria voltar atrás no tempo porque não tinha mais nada para dizer-te, o que eu queria mesmo era tempo para a frente, era ver-te feliz, desejar que não deixasses de olhar por mim, que a vida nunca te deixasse em paz. Queria um milagre, um Deus, o teu corpo e mais porra nenhuma. Queria o futuro, era isso eu só queria o futuro. 

1 comentário: